Luzes diurnas de LEDs serão obrigatórias em 2021

Resolução do Contran estabelece adoção compulsória do equipamento; em 2023, ele já equipará todos os veículos nacionais

Atualmente, os fabricantes utilizam as luzes de rodagem diurnas (DRLs) apenas em determinados modelos. Porém, isso tem data para mudar: o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) publicou nesta semana a Resolução nº 667, que prevê a obrigatoriedade desse equipamento no mercado nacional, tanto em carros quanto em ônibus e caminhões.

Além dos DRLs, a resolução também determina que os veículos tenham dispositivos que impeçam o motorista de scircular com os faróis desligados à noite. Para isso, eles deverão contar com sistema de acendimento automático, ou alerta sonoro, ou dois níveis de iluminação do painel de instrumentos (para que o condutor perceba quando os faróis estão desligados) ou ainda DRLs que funcionem também como luzes de posição (o que inclui a parte traseira do carro).

O texto prevê a adoção desses equipamentos em duas etapas: a partir de 2021, os novos projetos de automóveis terão, obrigatoriamente, que adotá-los. Em 2023, todos os modelos do mercado, inclusive os que foram lançados nos anos anteriores, deverão passar a contar com tais itens. Isso, claro, vale só para os veículos novos, que deverão sair de fábrica seguindo a legislação.

Os proprietários de veículos usados, que não contam com DRLs ou acendimento automático dos faróis, ficam dispensados de recebê-los. Aliás, ficam dispensados de forma compulsória, pois a nova resolução também proíbe alterações que desrespeitem as especificações originais do sistema de iluminação: se o carro veio com lâmpadas halógenas, elas não poderão ser substituídas, por exemplo, por outras de maior potência ou de xênon ou LEDs.

Foto: Alexandre Carneiro/Carfeed

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *